todos os direitos de desenvolvimento do blog reservados a Entertainment Music Group. Tecnologia do Blogger.

Dormir muito ou pouco pode fazer mal para o coração?

>> segunda-feira, 2 de abril de 2012

Riscos de derrame, infarto e insuficiência cardíaca são maiores

Estudos anteriores mostram que dormir muito ou pouco pode envelhecer o cérebro em até sete anos, devido ao aumento da velocidade do declínio cognitivo. Agora, uma pesquisa conduzida pelo presidente de cardiologia da Chicago Medical School, nos Estados Unidos, descobriu que o hábito também é prejudicial ao coração.

A conclusão surgiu a partir da avaliação de mais de três mil pessoas com idade superior a 45 anos. Todas haviam participado da U.S. National Health and Nutrition Examination Survey. Os resultados, apresentados na reunião anual do American College of Cardiology, mostraram que adultos que dormem menos de seis horas têm um risco duas vezes maior de sofrer um derrame ou ter um infarto e 1.6 maior de ter insuficiência cardíaca congestiva.

Por outro lado, aqueles que dormem mais de oito horas por noite apresentam uma probabilidade duas vezes maior de ter dores no peito. As chances de doença arterial coronariana também são superiores nesse grupo.
Os riscos permaneceram significativos mesmo depois que os pesquisadores levaram em conta outros fatores que poderiam favorecer problemas do coração, como a idade, níveis de colesterol, tabagismo, entre outros. Para entender a relação entre o sono e problemas cardíacos, entretanto, são necessários mais estudos.

Quatro benefícios que o sono traz para a sua saúde

Nada melhor do que chegar em casa depois de um longo dia, dormir profundamente e acordar renovado no dia seguinte. Mas o sono não assume apenas esse papel revigorante - ele tem diversas outras funções essenciais para o nosso organismo. Dormir menos que o recomendado (seis a oito horas em média) ou acordar diversas vezes durante a noite em decorrência de distúrbios como apneia e insônia pode causar mais malefícios ao organismo do que imaginamos.
A neurologista Rosa Hasan, responsável pelo Laboratório do Sono do Hospital São Luiz, explica que o sono de qualidade ruim desorganiza o metabolismo e prejudica a síntese de alguns hormônios, favorecendo diversas doenças como a obesidade. Por isso, listamos todos os benefícios que uma noite bem dormida pode fazer pela sua saúde. Confira:

1. Previne a obesidade

Durante o sono, nosso organismo produz a leptina, um hormônio capaz de controlar a sensação de saciedade - portanto, pessoas que tem dificuldades para dormir produzem menores quantidades desta substância. "A consequência disso é ingestão exagerada de calorias durante o dia, pois o corpo não se sente satisfeito", explica a neurologista Rosa Hasan. Além disso, o grupo dos insones produzem uma maior quantidade de um outro hormônio, a grelina, uma substância que está relacionada a fome e a redução do gasto de energia.
 
 
2. Combate a hipertensão

Um estudo da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, comprovou que um sono profundo e ininterrupto está relacionado a bons níveis de pressão arterial. A neurologista Rosa Hasan explica que a dificuldade em descansar durante a noite é equivalente a um estado de estresse, aumentando a atividade da adrenalina no corpo. "Uma noite mal dormida deixa o organismo em estado de alerta, aumentando a pressão sanguínea durante a noite", explica a especialista. Ela afirma que com o tempo essa alteração na pressão sanguínea se torna permanente, gerando a hipertensão.

3. Previne depressão

As chances de a depressão comprometer a qualidade de vida de uma pessoa pode ser menor se ela dormir entre seis e nove horas por dia. É o que indica um estudo feito no Cleveland Clinic Sleep Disorders Center, em Ohio, nos Estados Unidos, que analisou mais de dez mil pessoas.
Os resultados mostraram que pessoas com o sono considerado "normal" - de seis a oito horas por noite - tiveram índices mais altos de qualidade de vida e níveis mais baixos de depressão quando comparados aos que dormiam pouco ou muito. Também foi observado aqueles que dormem menos que seis e mais de nove horas por dia sofrem uma piora na qualidade de vida e índices de depressão
mais altos.
 
 
4. Favorece o desempenho físico

Quando dormimos profundamente e sem interrupções, nosso corpo começa a produzir o hormônio GH, responsável pelo nosso crescimento. Essa substância só começa a ser produzida aproximadamente meia hora após uma pessoa dormir - por conta disso, pessoas que tem o sono fragmentado sofrem dificuldades de sintetizar esse hormônio. "O hormônio do crescimento tem como funções ajudar a manter o tônus muscular, evitar o acúmulo de gordura, melhorar o desempenho físico e combater a osteoporose", explica a endocrinologista Alessandra Rasovski, da Sociedade Brasileira e Endocrinologia e Metabologia

(Pesquisa tirada do Site Minha Vida.)

0 comentários:

Aviso

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas."

Direitos de Imagens

As imagens ou fotos que estão no blog são fornecidas por Academia Lucinéa arte e dança.
Todos os direitos de imagem de alunos são reservados por Lucinéa Cândido.


Academia Lucinéa - Centro de Atividades Física Av. Tiradentes nº2.159 Bairro Alto Matão-SP Fone: (16) 3382-1867 E-mail: lucinea.arteedanca@hotmail.com

  © Blogger templates Palm by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP